o rosto das pessoas não diz nada
ao poeta: chega o momento
em que ambos não se exergam
não se velam
na extensão de existir

são rostos lívidos
feições apagadas (mínimas)
dos pulsos que regem a vida

pena que o poeta não saiba mais
ignorar-se: esvaziado
pelos outros (que tanto o
infernizaram) viu o poeta
cada vez mais além

e se não chegou a tornar-se
zen
………………… deus-se à falta
…………………como fosse dádiva

: e os outros se tornaram
seu harém

 

 

.