Busca

Trogloditas líricos não levam desafloros para casa.

Tag

Poemas

The reason most people never reach their goals is that they don't define them, or ever seriously consider them as believable or achievable. Winners can tell you where they are going, what they plan to do along the way, an
CAPITALIA FILIGRANA (no mar de lama) ah, mundo, seu saco sem fundo, por que és tão glutão, por que achas que tudo há de caber na tua pança, ou na balança tão viciada da mão que pende para aqueles lados do mercado?

HAPPY BIRD DAY

liso leve e solto

pronto para (sobre)

saltos : lá vai o pássaro

pass(e)andando

entre nuvens

colunas e colchões de ar

passou e passa : passara

‘inda ‘gora ali

defronte

                        galga

                        galgo

cumes

            e montes (desconhece

caminhos

ignora pontes)

: quando reabrires

os olhos

mal o verás

é certo que estará

longe

SEM TÍTULO (o rosto das pessoas não diz nada ao poeta)

o rosto das pessoas não diz nada
ao poeta: chega o momento
em que ambos não se exergam
não se velam
na extensão de existir

são rostos lívidos
feições apagadas (mínimas)
dos pulsos que regem a vida

pena que o poeta não saiba mais
ignorar-se: esvaziado
pelos outros (que tanto o
infernizaram) viu o poeta
cada vez mais além

e se não chegou a tornar-se
zen
………………… deus-se à falta
…………………como fosse dádiva

: e os outros se tornaram
seu harém

 

 

.

FÁBULA

joão tenta
encontrar em
maria:

o ar mais quente em
seu hálito
o peso mais denso do
seu corpo
o zelo mais extenso do
seu gosto

mas maria (sesmaria)
é desvairada e absurda:

seu hálito
é apenas o frio do suspenso
seu corpo
é exatamente o aço do costume
seu gosto
é a certeza dedicada do acaso

que opção pode ter joão?

joão é são como sansão
é furtivo como um livro
e vivo como um reflexo desconexo
joão tem inveja todo dia (sem alívio)

joão não pode nada
nesta vida
a não ser
querer desquerer
crer em maria
.

SEM TÍTULO (Você, que cansou de perguntar quem é)

você
que cansou
de se perguntar
quem é

decidiste que
chegou a
hora
de ser

:

aceitaste
a vertigem
do mundo

e as suas
estranhas
maneiras
de ser

(o mundo não
pode mais
fugir de ti

e nem tu
podes mais fugir
dele)

(você
não parou
de sofrer

mas hoje
sabes
não haver
motivos

para recusar
a imensa
e delicadíssima
dor de viver

:

sentes dores
de todo tipo
– as tuas
as dos outros
as do mundo
inteiro –
mas não mais
te dilaceras
com isso

o excedente
das dores
– este é o teu
siso – aprendeste
a moer
com palavras

e só por isso
sabes que pode
suportar
o prazer
– quase dor –
de estar vivo)

:

você
que passou
desta
para melhor

(aprendeste a
morrer
e a ressuscitar
quase todos
os dias)

não tens
outro remédio
senão
olhar o mundo
no fundo do olho

não tens
outro remédio
senão
eviscerar-se (evanescer-se
como Prometeu)
e espremer (aspergir)
tua bile
:
você
totalmente
transformado
em calcanhar
de Aquiles

.

GETULINA PAISÀ(GEM)

tantos rostos
na leve (e comun
érrima) profissão
do desconforto
:
não são (exatos)
tristes
mas se
perdem em
si mesmos
cada um
antecipando
(pra si mesmos)
possíveis
mistérios
possíveis
dissabores

(as contas
que (pagãs) não se pagam

as mulheres (homens) que
não se pegam
e as que se acabaram
de pegar

as guerras
que rebrotam

as balas que se perdem

o horror (co
relato) ao
dia (nossa vaca
sempre fria)
em que a vida
vai (em definitivo)
dis parar)

 

 

.

DANTE’S REVERSE

o inferno
(e portanto o mal)
é sempre um outro

aquilo que
de alguma
forma
nos toca
e (con)fere

(o que chama
Thânatos
nasce (dura
verdade) em
nossa própria
(aquilo de
de nós
ex)
pele)

(além disso)

inferno pouco
sendo
bobagem

assumamos:

somos todos
os outros
de alguém(s)

 

 

.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: